quinta-feira, 20 de agosto de 2015

ladrão de cartas


naquela tarde em teresina
suor e sufoco
a ponta dos teus dedos
ensaiva os primeiros versos
jaz  no objeto a lembrança
memória de poesia
era de azul
que o teu olho escorria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário